consultoria educacional

RSS


Pinheiro Neto desenvolve universidade corporativa para formar seus advogados

- quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Matéria divulgada no jornal Valor Econômico, dia 20/07/2011


Habituados a conciliar o trabalho com os frequentes cursos de pós-graduação, mestrado e MBA, os profissionais da área jurídica ganharam mais uma plataforma de aprendizado: a universidade corporativa. Mais comum em grandes empresas, a iniciativa vai ser adotada pelo escritório Pinheiro Neto Advogados que, em janeiro de 2012, abrirá as primeiras turmas da sua escola de formação interna.


O objetivo, segundo o sócio Raphael de Cunto, é conseguir formar todos os 400 advogados da companhia, que terão acesso às matérias de acordo com o seu grau de desenvolvimento na carreira. "A proposta é complementar a formação dada no ambiente acadêmico, direcionando os conhecimentos necessários para o dia a dia do trabalho", afirma.
Um advogado júnior, por exemplo, terá aulas sobre relações de negócios e contratos. Esses conteúdos estão relacionados à área de 'business', um dos três pilares da nova universidade corporativa - os outros dois são direito, que se aprofunda em áreas específicas da atividade profissional, e 'lawyering', que trata de temas como gestão de pessoas e de processos entre outros. "Ao longo do tempo, o profissional é convidado a cursar outras matérias como análise de demonstrações financeiras e noções de liderança". O corpo docente do curso será formado por professores de instituições como Fundação Getulio Vargas, Fundação Dom Cabral e Insper.


Cada advogado terá um ciclo ideal de treinamento. O profissional em início de carreira, por exemplo, vai cursar nove matérias em três anos. Ao cumprir essa "carga horária", ele ganha uma certificação e é considerado apto a uma promoção. Os advogados pleno e sênior também terão um período determinado para cumprir os créditos, que deve ser de aproximadamente quatro anos.


O modelo adotado, desenvolvido em parceria com a Saint Paul Escola de Negócios, baseou-se em consultas aos profissionais do escritório, visitas a universidades corporativas no exterior e análise das especificidades do setor jurídico. "É uma educação diferente da executiva, que aborda conteúdos mais amplos. Nesse caso, é preciso oferecer cursos customizados de acordo com a singularidade da empresa e do negócio", diz José Cláudio Securato, diretor-presidente da Saint Paul.


Outra diferença é a decisão compartilhada. "Em uma companhia, a criação de uma universidade corporativa envolve o presidente, o conselho e, no máximo, alguns diretores. No caso de um escritório de advocacia, é preciso buscar um consenso entre os muitos sócios". Securato acredita que a estruturação de universidades corporativas é uma tendência entre os escritórios de médio e grande porte, particularmente aqueles voltados para as áreas de negócios. "O setor vem passando por uma profissionalização muito forte, o que exige investimentos em formação interna", afirma.


De acordo com José Luís Homem de Mello, sócio do Pinheiro Neto, a universidade corporativa não suspenderá os subsídios aos cursos de pós-graduação, MBA e mestrado dos advogados. "Até o fim do ano, teremos 50 profissionais estudando no Brasil e pelo menos 10 no exterior", diz. Em média, o escritório paga 75% do valor dos cursos.

Fonte: http://www.valor.com.br/arquivo/899357/pinheiro-neto-desenvolve-universidade-corporativa-para-formar-seus-advogados

 

Palavras-chave: Consultoria Educacional
Comentários (0)