Inovação é relevante para a competitividade - Valor Econômico

 A gestão da inovação tem ganhado relevância na educação executiva por contribuir para o aumento da competitividade empresarial e da empregabilidade. No Brasil, as escolas de qualidade ainda são poucas, mas a tendência é de ampliação da oferta. O segmento é influenciado pelo crescimento das graduações tecnológicas.

Conforme dados do Ministério da Educação consolidados pela consultoria Hoper, os cursos superiores de tecnologia no setor privado tiveram em 2012 o dobro de ingressantes em relação aos de licenciatura. Ao concluírem suas graduações, muitos profissionais buscam cursos complementares focados na prática.
Uma referência pioneira na área é a Fundação Instituto de Administração (FIA), criada em 1980 por professores Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (USP). Seu MBA em conhecimento, tecnologia e inovação combina aulas expositivas com estudos de caso, aulas práticas, simulações e jogos de empresas. Os alunos têm a oportunidade de participar de um seminário na Bentley University, de Boston, Estados Unidos, sem custo adicional. A FIA também oferece uma pós-graduação em Gestão da Inovação para a Competitividade, inspirada na experiência de sucesso do MBA.
Outro destaque é a especialização em Gestão Estratégica da Inovação Tecnológica da Universidade de Campinas (Unicamp). Realizada a cada dois anos, ela tem duração de 360 horas, com aulas quinzenais. Sua oitava edição irá iniciar em março de 2015. O objetivo é capacitar profissionais já experientes para criar novos produtos, processos, serviços e negócios. Constam da grade curricular temas como empreendedorismo em negócios de base tecnológica, gestão de portfólio de projetos, fontes de financiamento, estrutura de mercado e concorrência.
"Nosso curso é um laboratório de aprendizado conjunto e troca de experiências, com foco nas empresas e na vertente tecnológica da inovação", resume o coordenador, Ruy Quadros. Ele destaca o caráter "artesanal" na criteriosa construção do conteúdo e seleção dos participantes. A idade média é superior a 40 anos e 80% dos alunos exercem cargo de gerência ou direção. Entre os diferenciais da especialização estão o perfil do corpo docente, inteiramente voltado para inovação.
A Fundação Dom Cabral (FDC) oferece um curso de gestão estratégica de inovação. Seu programa privilegia o intercâmbio de experiências por meio de aulas interativas, estudos de casos, depoimentos de executivos e ferramentas aplicadas à realidade corporativa. Com carga horária de 45 horas, o programa aborda temas como estratégia, cultura e arte de inovação, design thinking, proatividade de mercado e gestão de processo.
Já na Saint Paul Escola de Negócios, que junto com a FDC e o Insper integra o ranking das melhores escolas do mundo para executivos organizado pelo Financial Times, "a inovação é abordada de maneira transversal em nossos programas, pois não acreditamos que possa ser tratada de forma isolada", diz o presidente da Saint Paul, José Cláudio Securatto. Nos cursos, os alunos pensam em algo diferente que poderia ser aplicado nas organizações onde trabalham.



© 2000 – 2014. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico. 

Leia mais em:
http://www.valor.com.br/carreira/3587040/inovacao-e-relevante-para-competitividade#ixzz351KSbowt

Somente usuários registrados podem deixar comentários.